Acompanhado de ministros e governadores, presidente veio a Mato Grosso para cumprir curta agenda ligada ao agronegócio.

O presidente Michel Temer (PMDB) fez o lançamento simbólico nesta sexta-feira (11), em Lucas do Rio Verde (334 km de Cuiabá), da colheita nacional de algodão. Temer subiu em uma colheitadeira, caminhou alguns metros na plantação acompanhado do governador Pedro Taques, o ministro Blairo Maggi, o prefeito Luiz Binotti (PSD) e parlamentares.

 Mato Grosso está entre os principais produtores nacionais de algodão e, na última safra produziu 876 mil toneladas em pluma e neste ano deve crescer cerca de 12%, ultrapassando 980 mil toneladas.

O presidente também inaugurou uma usina de etanol, a base de milho, construída pela FS, com investimento de 115 milhões de dólares. A usina é considerada é um dos principais empreendimentos do gênero no país, com capacidade de produzir anualmente aproximadamente 210 milhões de litros de etanol, 180 mil toneladas de outros  três coprodutos, e 6,2 mil toneladas de óleo de milho, além de exportar 60.000 megawatts de eletricidade.

O presidente da empresa, Henrique Ubrig, disse que a tecnologia implantada é usada em mais de 10o usinas nos Estados Unidos. “Vamos encurtar caminho entre a América do Norte e a América do Sul. Vamos oferecer uma opção para o mercado preenchido pelo produto americamo. Precisamos de mercados e logística eficientes. Do Mato Grosso podemos atingir o planeta. Isso é possível”, discursou.

Além de Taques, outros governadores que participam, em Cuiabá, do fórum de governadores – Confúcio Moura, de Rondônia, Marcelo Miranda, Tocantins – e também o ministro argentino Leopoldo Saorea acompanharam as cerimônias.

O presidente Michel Temer ainda deve voltar para Brasília no final da manhã.  Ele veio acompanhado do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, o senador José Medeiros, os deputados Nilson Leitao, Adilton Sachetti, Victorio Galli e o suplente Xuxu Dalmolin.

Manifestações

Em Lucas do Rio Verde, na BR-163, carreteiros e caminhoneiros continuam protestando contra a decisão do governo Temer de aumentar impostos (Cofins e PIS) sobre os combustíveis que também encareu o frete.

No início da manhã de hoje, veículos de passeio e ônibus não passaram por algumas horas e se formou longo congestionamento, diferente dos dias anteriores quando a interdição estava restrita a caminhões carregados ou vazios. Mas, neste momento, carros e ônibus estão passando normalmente e a restrição está para carretas e caminhões carregados (exceto os com cargas vivas).

Na fazenda onde houve lançamento da colheita, e na usina, não houve manifestos.