Nesta quarta (08) prefeitos cogitaram a possibilidade de pedir o afastamento de Pedro Taques (PSDB), em razão do caos na saúde.

A pós o governador em exercício Carlos Fávaro (PSD) ter sido pressionado pelos deputados e prefeitos a resolver a situação caótica que se encontra a Saúde Pública de Mato Grosso, um aporte de R$ 30 milhões foi destinado em caráter de emergência para retomar os atendimento e serviços hospitalares. 

Ao Circuito Mato Grosso a assessoria da Secretaria de Fazenda (Sefaz) confirmou a informação e que o repasse deverá ser feito o quanto antes, mas sem citar datas. A decisão foi tomada após representantes de diversas cidades cogitarem a possibilidade de pedir o afastamento do então governador Pedro Taques (PSDB), que está em viagem a China. 

Segundo a Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), a dívida do Estado com as prefeituras já alcança R$ 100 milhões e o não repasse teria gerado prejuízo no atendimento hospitalar. 

Na terça (7), lideranças da região norte de Mato Grosso fizeram manifestação para cobrar a normalização do atendimento no Hospital Regional de Sinop (501 km distante de Cuiabá). Segundo a AMM, mais de 100 manifestantes entre servidores e representantes de entidades participaram do ato em frente a unidade. Eles cobram do governador os repasses financeiros para que a unidade normalize nos setores de extrema urgência.

A unidade hospitalar está há mais de dois meses atendendo apenas emergência por falta de recursos para a manutenção de serviços. Com a suspensão de parte dos atendimentos do Regional de Sinop, os pacientes com necessidade de atendimento emergencial estão sendo encaminhados à Unidade de Pronto Atendimento (UPA), que está sobrecarregada.