Missão X usa fomento ao interesse espacial agregado à busca por hábitos mais saudáveis.

Que a educação é o passaporte para o infinito e além todo mundo sabe. Mas algumas pessoas preferem pilotar a nave do conhecimento agregando cada vez mais passageiros nesta fascinante viagem ao invés de ser apenas um mero tripulante. É o caso da aspirante a astronauta, a estudante mato-grossense, Maria Gisllanny Bezerra. Após conhecer a NASA e ingressar no curso de Física da UFMT, em Cuiabá, para alcançar seu sonho, ela tem ajudado a trazer projetos de Astronomia e Astronáutica que fazia no ensino médio em Tangará da Serra para a Capital com o apoio do dos professores do Instituto de Física. Um desses projetos acontece nesta terça-feira (31.10), às 15h, na Escola Estadual Ferreira Mendes, onde ela, outros alunos da Física e o professor-doutor, Denilton Gaio, vão dar início ao projeto da NASA – Missão X – Treine como um Astronauta.

 

“Neste primeiro dia vamos apresentar como irão funcionar as atividades e passar um questionários para os alunos da escola e as atividades desta terça já serão publicadas no site da NASA”, destaca Maria. O questionário, segundo ela, tem perguntas sobre o espaço. A meta é pesquisar sobre o quanto os alunos sabem ou se interessam pelas atividades propostas. O mesmo questionário será aplicado no fim do projeto, que está previsto para o início de dezembro.

Ao todo serão realizadas quatro atividades por dia e duas vezes na semana com as turmas do 7ª ano totalizando 34 atividades todas enviadas pela NASA. As atividades são voltadas para atividades científicas e físicas com Educaçao Física e estudos sobre ciências espaciais e biológicas.

Ela conta que anteriormente a este trabalho em Cuiabá, atuou por um ano e meio a partir de 2016 em três fases do projeto em diferentes escolas em Tangará da Serra. Com o ingresso no IF da UFMT teve o apoio do professor Gaio e da faculdade, o que dá novo impulso ao projeto.

De resultado desde o início do projeto em Tangará a estudante explica que foram mais de cem crianças entre em média de 9 e 13 anos já abordadas e os resultados são incríveis.  “Todas participam ativamente das atividades e aprendem sobre Astronomia e Astronáutica. O projeto desperta nelas o interesse pelos estudos, leitura, pesquisa e instiga-os a serem curiosos a trabalharem em equipe”, comemora.

Objetivo

A NASA iniciou o projeto devido a preocupação com o alto índice de crianças obesas nos Estados Unidos, mas como o problema de obesidade infantil é mundial, muitos países através de suas agências espaciais se reuniram para fazer o mesmo. Partindo da premissa que toda criança sonha em ser astronauta, ou pensa em ciência com mais frequência, a NASA usa a figura do astronauta para instigar as crianças a estudarem, pesquisarem, e também manter hábitos saudáveis.

Assim, o projeto traz a importância de uma alimentação saudável, atividades físicas regulares e fala também sobre a importância de se manter hidratado. “Os astronautas acompanham as atividades que publicamos e gravam vídeos na ISS (Estaçao Espacial Internacional) onde mostram sua rotina às crianças e o quanto eles precisam estudar e se manter fortes para ser um astronauta. Isso desperta nas crianças uma curiosidade imensa sobre ciências e, ao mesmo tempo, incentivaas a terem hábitos mais saudáveis”, finaliza Maria.

Todo o projeto e todas as atividades desenvolvidas na escola de Cuiabá poderá ser acompanhada no site do projeto, que pode ser acessado clicando AQUI.