Jonathan Pereira do Prado cumpria pena por assalto em São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, e não voltou após saída temporária em março.

Segundo a Polícia Civil de Frutal, em Minas Gerais, Jonathan Pereira do Prado, preso que confessou a morte da jovem Kelly Cristina Cadamuro, de 22 anos, após uma carona combinada pelo WhatsApp, estava foragido desde março. Ele não voltou ao Centro de Progressão Penitenciária (CPP), de São José do Rio Preto (SP), depois de ter direito a uma saída temporária.

Em depoimento, Jonathan, que cumpre pena por assalto, confessou ter entrado no grupo virtual com a intenção de roubar Kelly através de uma falsa carona. Ele tem passagens por estelionato, furto e receptação e já era alvo de um mandado de prisão antes do envolvimento no caso. Foram presos outros dois suspeitos, Wander Luis Cunha e Daniel Teodoro da Silva, que, de posse de bens da jovem, foram enquadrados por receptação.

Kelly estava desaparecida deste quarta-feira quando, segundo contou a família à polícia, havia deixado a cidade de São José do Rio Preto, onde residia, para viajar até a cidade de Itapagibe, em Minas Gerais, para visitar o namorado. A jovem fazia parte de um grupo de carona e tinha combinado de levar um casal até a cidade mineira. Na hora da viagem, a mulher desistiu e foi apenas o homem, Jonathan, que não era conhecido de Kelly.

O corpo da jovem foi encontrado na tarde desta quinta-feira em um córrego no interior de Minas Gerais. A declaração de óbito aponta para morte por asfixia e estrangulamento. O caso é tratado até o momento como latrocínio, informa a Polícia, mas o fato de Kelly ter sido encontrada sem as calças evoca a possibilidade de tentativa de estupro.