Ranking da Forbes mostra as celebridades que continuam gerando dinheiro após a morte. Primeiro colocado da lista está no topo pela 5ª vez consecutiva

São Paulo — Um novo ranking divulgado pela Forbes aponta as 13 celebridades mortas mais bem pagas de 2017. A lista é encabeçada, pela 5ª vez consecutiva, pelo cantor pop Michael Jackson. Falecido em 2009, ele gerou 75 milhões de dólares no último ano.

O valor é bem menor do que o arrecadado no ano passado. Em 2016, Jackson gerou nada menos que 825 milhões de dólares — a maior remuneração daquele ano entre todos os artistas do planeta, vivos ou mortos —graças à venda da metade que lhe cabia dos direitos sobre o catálogo da Sony/ATV.

Ainda assim, o ganho de 75 milhões de dólares colocam o criador de hits como “Billy Jean” e “Thriller” em pé de igualdade com o 17º artista vivo mais bem pago do mundo, Bruce Springsteen.

O império póstumo do “rei do pop” é sustentado pela venda de direitos sobre músicas do catálogo da Sony/ATV, além de um show do Cirque du Soleil em Las Vegas e até um programa especial no canal de televisão CBS, batizado de “Michael Jackson’s Halloween”.

Feito entre 15 de outubro de 2016 e 15 de outubro de 2017, o levantamento da Forbes leva em consideração a renda bruta gerada pelo nome ou pela obra dos famosos, sem contar a comissão de agentes, advogados e outros profissionais ligados à exploração de seu espólio.

A lista ainda inclui Arnold Palmer, lenda do golfe norte-americano, Charles Schulz, criador dos personagens Snoopy e Charlie Brown, e até o físico Albert Einstein.

Veja o ranking a seguir: