As telas de smartphones do futuro podem ser inquebráveis. É isso o que sugere um estudo realizado por cientistas da Universidade de Sussex, no Reino Unido, que conseguiram desenvolver telas de baixo custo e mais resistentes que as usadas atualmente com o uso de grafeno e nanofios de prata.

As telas da atualidade usam uma película transparente altamente condutora usando óxido de índio-estanho, que apesar das suas qualidades positivas quando usadas em telas sensíveis ao toque, são bastante frágeis. Além disso, o índio é um mineral raro e caro.

Uma alternativa ao uso do índio é a prata, que também possui propriedades condutoras – é, inclusive, o elemento mais condutor do planeta. Mas também é um material caro. Quando combinada com o grafeno, a prata cria uma película muito melhor do que as usadas atualmente, e também bem mais barata.

O preço baixo é devido ao grafeno, um cristal bidimensional criado a partir do grafite natural, que é um elemento em abundância na natureza. A película tem muito grafeno e poucos nanofios de prata. Como o grafeno aumenta as propriedades condutoras de outros elementos, ele consegue criar dispositivos mais responsivos e que usam menos energia.

O estudo ainda está em seus estágios iniciais e é difícil prever quando a tecnologia será usada em smartphones – se é que um dia chegará a isso. Mas é possível que, no futuro, as telas sejam mais resistentes a quedas do que hoje em dia.