Indústria anunciou a redução nesta quarta-feira, mas repasse à consumidores não é garantido.

O gás de cozinha poderá ficar mais barato para os mato-grossenses, a partir desta quinta-feira (5). Isso porque a Petrobras anunciou que o preço do gás GLP para distribuidoras foi reduzido. No entanto, quem decide o valor pago pelo consumidor são os comerciantes.

De acordo com o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás), as empresas filiadas já foram informadas da redução de preço na quarta-feira (4), logo após o anúncio da Petrobras. Para as empresas, o botijão de 13 quilos, usado nas cozinhas, passará a custar R$22,13.

O Sindigás informou que, embora com a redução, o preço cobrado pela Petrobras ainda é 2,2% superior à paridade internacional. 

Mato Grosso

Um levantamento realizado junto a Agência Nacional do Petróleo (ANP) mostra que Mato Grosso é o estado com preço de gás de cozinha mais alto em todo o país. Nas principais cidades, a ANP registrou preço médio de R$70 a R$120, conforme pesquisa do último mês. O menor valor encontrado no Estado é cobrado em Cáceres, onde é possível encontrar gás por R$70. Na mesma cidade, o valor máximo chega a R$90.

Na Capital, 42 postos de distribuição foram vistoriados pela ANP. Os valores encontrados variam entre R$90 e R$102. O valor é quase R$40 superior ao cobrado em outros estados, como no Rio de Janeiro, onde na capital se paga R$58.

Por nota, a Petrobras informou que o valor da venda aos distribuidores não é o único fator determinante para o preço final cobrado aos consumidores, pois ele não considera tributos e a margem de lucro na comercialização do produto. “Como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, as revisões feitas pela Petrobras podem ou não se refletir no preço final, que incorpora impostos e repasses dos demais agentes do setor de comercialização, como distribuidores e revendedores”, escreveu.