Nos próximos dias 6 e 7 de julho, acontecerá em Alta Floresta a XI edição do Seminário de Cultura de Alta Floresta. O evento, que mais uma vez está sendo organizado pelo Teatro Experimental de Alta Floresta e que possui apoio do Governo Federal e do Governo do Estado de Mato Grosso, através do projeto Ponto de Cultura Espaço Cultural TEAF, contará com a participação de palestrantes de Cuiabá, Rondonópolis, Alta Floresta e Anderson Zanovello da CUFA Colíder.

A participação no Seminário é totalmente gratuita. O seminário, criado em 2004 pela então Associação Alta-florestense de Teatro (ATE), tinha o intuito de torná-lo um espaço para atender as demandas relacionados à cultura em Alta Floresta e no Território da Amazônia Mato-grossense.

Com o fim da associação, o Teatro Experimental de Alta Floresta (TEAF) tomou para si a missão de continuar a realizar o seminário e manteve o seu objetivo de ser um espaço agregador de forças para estudar e compreender a formação cultural da nossa sociedade; propor reflexões e alternativas nas áreas de gestão pública de cultura; estímulo a reflexão, organização e fortalecimento de grupos artísticos e culturais; e, na medida do possível, proporcionar o encontro e a articulação entre gestores públicos de cultura do território. “Até o ano de 2013, foram realizadas dez edições com discussões de diversos temas, com a participação de palestrantes de várias localidades e áreas do conhecimento. Agora, neste ano de 2018, quando o TEAF comemora 30 anos de sua fundação, decidimos por retomar o evento e realizaremos o XI Seminário de Cultura”, diz Ronaldo Adriano, coordenador da atividade.

O Seminário é um evento realizado com parcerias e colaborações, onde o papel do TEAF é de criar condições para o encontro com artistas, pesquisadores e estudiosos em diferentes áreas e, assim, proporcionar ao público local momentos de discussão e reflexões acerca de temas relevantes.

“Esta edição faz parte das ações do projeto do Ponto de Cultura Espaço Cultural TEAF, no qual um dos objetivos foi a execução de atividades voltadas a organização, identificação e preservação da Memória do TEAF. A história do grupo se confunde com a da própria cidade, hoje com 42 de fundação, e por isso propusemos a discussão do tema “Arte, Memória e Cidade” para esta edição”, pontua Ronaldo.

Programação do XI Seminário de Cultura