Estudo aponta que craque português deve custar ao clube italiano um total de € 340 milhões (R$ 1,5 bilhão) em quatro anos. Para pagar a conta, será necessário aumentar as receitas no próximo triênio.

A contratação de Cristiano Ronaldo pela Juventus terá um impacto profundo nas finanças do clube italiano. Seja para o bem, ou para o mal. Segundo recente estudo da KPMG Football Benchmark, empresa especializada na análise da indústria do esporte, entitulado “De Madri para Turim: Economia Ronaldo”, o craque português pode influenciar nos próximos quatro anos na geração de uma receita bruta de € 595 milhões (cerca de R$ 2,67 bilhões), no melhor dos cenários, ao mesmo tempo em que deve custar € 340 milhões (R$ 1,5 bilhão).

– Os aspectos positivos destacados no relatório são apenas um lado da moeda. O outro lado, que precisa ser levado em consideração numa análise completa, tem os riscos que a juventus vai enfrentar por sustentar um investimento desse tamanho. O clube terá de lidar com custos relativos à contratação que não dependem de circunstâncias futuras, como acontece com as receitas. Os números apresentados são estimativas e previsões que dependem altamente das capacidades de administração da Juventus e da performance dentro de campo – explicou Andrea Sartori, chefe global da área de esportes da KPMG.

Só pela contratação de Cristiano Ronaldo, a Juventus vai pagar € 100 milhões (R$ 447 milhões) ao Real Madrid, em dois anos. Além disso, há o valor destinado ao mecanismo de solidariedade da Fifa, de € 12 milhões (R$ 53,7 milhões), mais a comissão do empresário Jorge Mendes, de € 5 milhões. O total inicial então é de € 117 milhões (R$ 526,5 milhões), que serão amortizados com € 29,25 milhões ao ano. Também precisam entrar na conta os € 223 milhões (R$ 1 bilhão) de salário bruto, pelo vínculo de quatro anos. CR7 receberá um salário anual de € 30 milhões líquidos. Somados os custos da aquisição do jogador e os salários, chega-se à cifra de aproximadamente € 340 milhões – o equivalente a R$ 1,5 bilhão.

Segundo o relatório da KPMG, o custo da contratação de Cristiano Ronaldo, por € 117 milhões, representa cerca de 28% das receitas operacionais da Juventus

 


Cristiano Ronaldo foi o grande astro até agora da janela de verão (Foto: Divulgação/Juventus FC)
Cristiano Ronaldo foi o grande astro até agora da janela de verão (Foto: Divulgação/Juventus FC)

A questão agora é como pagar a conta. De acordo com o estudo, o clube italiano precisa aumentar as suas receitas operacionais no próximo triênio para conseguir arcar com o investimento por Cristiano Ronaldo. Isso depende de vários fatores, dentro de determinadas expectativas, já para a primeira temporada com o craque em campo. E o bom desempenho esportivo dele é fundamental.

+ Estreia oficial de CR7 pela Juventus deve ser no dia 19 de agosto

Antes do anúncio oficial da contratação do português, o clube já tinha divulgado os preços para os ingressos do próximo Campeonato Italiano, com um aumento de 30% no ingresso médio. Se o número de compradores de tickets de temporada seguir o mesmo (29.300 pessoas), a Juventus pode conseguir € 34 milhões com a receita de dia de jogo da Serie A. Mas esse valor pode subir para até € 52 milhões se houver um crescimento na venda de bilhetes por partida. Além disso, há a receita de bilheteria da Liga dos Campeões, que, no melhor dos cenários – com uma campanha até a sonhada final -, pode significar mais € 70 milhões.


Cristiano Ronaldo durante exames na Juve (Foto: Reprodução/Twitter)
Cristiano Ronaldo durante exames na Juve (Foto: Reprodução/Twitter)

A receita com direitos de transmissão do campeonato nacional pode ser de até € 115 milhões, em caso de um oitavo título seguido. Já os direitos de TV da Liga dos Campeões podem render até € 138 milhões, novamente no melhor dos cenários, com o time italiano chegando outra vez à decisão, como aconteceu em 2016/17 (derrota para o Real Madrid), mas agora conquistando o título. Somadas as duas fontes, esse tipo de receita significaria um valor máximo de € 255 milhões.

 (Foto: Arte)

Mas a grande oportunidade de crescimento das receitas está na área comercial. De acordo com o relatório, a Juventus precisa capitalizar em cima da contratação de Cristiano Ronaldo especialmente em merchandising e patrocínio. Com faturamento nesse setor de € 120 milhões em 2016/2017, o clube está bem distante de outros gigantes europeus, como Manchester United (€ 320 milhões), Barcelona (€ 288 milhões) e Real Madrid (€ 280 milhões), por exemplo.

A análise da KPMG defende que um valor realístico ao fim dos próximos dois ou três anos seria de até € 220 milhões, após o aumento da venda de camisas, criação de novos acordos de licenciamento, da (re)negociação de patrocínios, além da expansão da marca do clube em escala global.

– Essa é a área em que a Juventus vai ter que fazer o maior esforço para atingir um equilíbrio ao investimento feito pelo Ronaldo. Comprometimento da gestão, criatividade, inovação e, potencialmente, novas habilidades ainda não disponíveis no clube, serão necessários para atingir as expectativas de crescimento de receitas. Os esforços serão facilitados, obviamente, com maior sucesso dentro de campo e com a eventual conquista da Liga dos Campeões – comentou Andrea Sartori.


Cristiano Ronaldo na sua apresentação na Juventus (Foto: Divulgação/Juventus FC)
Cristiano Ronaldo na sua apresentação na Juventus (Foto: Divulgação/Juventus FC)

Cristiano Ronaldo tem 332 milhões de seguidores no Facebook, Instagram e Twitter. É a personalidade com o maior número de “fãs” no mundo. Patrocinadores pagam até € 500 mil por um post no Instagram. Visibilidade e oportunidade para a Juventus aproveitar.

 

A conclusão é que o investimento de aproximadamente R$ 1,5 bilhão da Juventus para poder contar com Cristiano Ronaldo pelos próximos quatro anos pode ser superado pela receita bruta gerada após a chegada do craque – no pior dos cenários do estudo da KPMG, algo em torno de R$ 2,35 bilhões. Cifras impressionantes, para um jogador impressionante.