Pré-candidato pelo DEM recebeu R$ 1 milhão da direção do partido e contribuição de R$ 300 mil de seu vice, Otaviano Pivetta.

O pré-candidato ao governo Mauro Mendes (DEM) informou à Justiça Eleitoral a arrecadação de R$ 1,3 milhão, até o início desta semana, para gastos na campanha. A quantia representa cerca de ¼ do limite oficial de R$ 5,6 milhões permitidos para este ano e superior à soma dos valores anunciados pelos outros concorrentes com alguma atualização do caixa financeiro.  

Os números estão disponíveis na página de divulgação de contas com última atualização na segunda-feira (27). A maior parte da quantia declarada por Mendes, R$ 1 milhão, veio de fundo partidário e outros R$ 300 mil são de doação de seu pré-candidato a vice, Otaviano Pivetta (PDT).

O fundo financeiro do tucano Pedro Taques subiu para R$ 696 mil desde a primeira declaração feita na semana passada.  Já a quantia informada por Wellington Fagundes (PR) aumentou de R$ 15 mil para R$ 515 mil. Juntos eles somam R$ 1,2 milhão.

Conforme a Justiça Eleitoral, Mauro Mendes já gastou R$ 900.250, com aplicação pesada em produção de peças publicitárias. As produções para rádio, TV ou vídeo tiveram investimento de R$ 650 mil. A produção de adesivos, R$ 126 mil. Serviços prestados por terceiros custaram até o momento R$ 70 e os gastos com deslocamento e transporte, R$ 52.500.  O total de despesas pagas é de R$ 774.250.