Vídeos de uma aluna sendo agredida na frente de uma escola pela mãe de uma colega a quem ela supostamente teria ameaçado, em Alta Floresta, a 800 km de Cuiabá, estão circulando nas redes sociais e devem ser investigadas pela Polícia Civil.

O caso ocorreu na terça-feira (3), em frente à Escola Municipal Geny Silverio Delarincy, no Bairro Jardim Panorama.

A equipe gestora da unidade afirmou que a escola está dando apoio às duas alunas e acionou o Conselho Tutelar. As famílias registraram boletins de ocorrência e o caso deve ser investigado pela polícia.

Nos vídeos, é possível ver a mãe – que segundo a escola, tem 32 anos – puxando uma adolescente de 13 anos pelos cabelos. A vítima usa uniforme da escola e chega a gritar para a mulher que ela seria presa pela agressão.

Em resposta, a mãe da estudante de 12 anos que supostamente teria sido ameaçada retoma as agressões e intimida: “Encosta a mão na minha filha que eu te mato”, disse.

Nos vídeos, é possível ver vários estudantes assistindo à cena – inclusive adolescentes de outra escola -, mas ninguém tenta interromper a briga.

De acordo com a gestão da escola, as duas alunas não frequentam a mesma sala de aula e são moradoras da zona rural. Elas usam o transporte escolar municipal diariamente para ir à escola e o desentendimento entre elas teria ocorrido no ponto de ônibus, na comunidade onde moram.

A aluna mais nova teria retornado para casa e afirmado à mãe que não queria ir para a escola, pois havia sido ameaçada. A mãe dela, então, a obrigou a pegar o transporte escolar e seguiu o ônibus com um carro próprio. Quando o veículo parou no ponto da escola, ela teria descido do carro e começado as agressões.

Segundo a escola, tudo ocorreu antes dos portões serem abertos para a entrada dos alunos, por volta das 6h30 [7h30 no horário de Brasília], quando apenas zeladoras estavam na unidade.

O Conselho Tutelar foi acionado e deve fazer uma reunião com as duas estudantes e as famílias delas na sexta-feira (6).

De acordo com a equipe de gestão escolar, as duas famílias registraram boletins de ocorrência e nenhuma desentendimento entre as adolescentes foi notado dentro da escola.

Fonte: G1 MT