A semana passada foi marcada, pela reportagem jornalística do Prefeito “jumento” nota dez.

O assunto veio à tona depois que o programa global Fantástico mostrou os bastidores da distribuição de prêmios de dois institutos, a UBD (união brasileira de divulgação) e o instituto Tiradentes.

Na matéria o repórter do quadro “cadê o dinheiro que estava aqui?”, relata como os dois institutos ganham dinheiro pelo Brasil a fora.  Para entender a história ao final da matéria reproduziremos a reportagem do Fantástico.

Após a divulgação da reportagem do Prefeito nota 10 “jumento precioso”, muitas noticias foram divulgadas com a relação de Prefeitos que em tese fizeram também a aquisição do tal prêmio fajuto. Em Mato Grosso de acordo com vários sites foram 17 prefeitos.

Nestes sites afirmam que o Prefeito de Guarantã, Érico Stevan, havia também comprado, porém o mesmo divulgou nota à imprensa afirmando que não fez a aquisição do tal prêmio.

Nesta mesma matéria afirma que o Vereador Zilmar de Guarantã do Norte, havia pago com dinheiro público o tal prêmio.

Após isto com a cautela que esta redação tem, não reproduziu a informação sem fazer a checagem. Depois de feito a checagem, nossa redação teve acesso a documentos que comprovam que o Vereador Zilmar Assis de Lima, comprou o mesmo prêmio do “jumento precioso” com dinheiro público da Câmara Municipal, em 2014.

No mês de outubro e novembro de 2014, o Vereador Zilmar pagou R$ 872,00 pela medalha, R$ 1.413,40 pela passagem aérea para ir a Belo Horizonte – MG receber a medalha e ainda fez uso de R$ 2.975,00 em diária. Lembrando que em 2014 o Vereador Zilmar era Presidente da Câmara. O tal prêmio custou aos cofres públicos a bagatela de R$ 5.260,40.

Nos documentos que tivemos acesso, também aparece como beneficiário do tal prêmio, o ex-vereador Marcelo Lima de Medeiros, conhecido como Dedé da Bicicletaria, que hoje é Coordenador de Educação do Prefeito Érico Stevan. Toda a despesa com a tal medalha, passagem aérea e diária foram custeadas, também, com dinheiro público da Câmara Municipal.

Lá no Rio Grande do Sul, o Ministério Público está investigando. Em Guarantã do Norte, isto também acontecerá? A pergunta que deixamos no ar.