A defesa do vereador irmão Alexandre Rodrigo de Guarantã do Norte apresentou o cliente após negociações com a Polícia Judiciária Civil, ele foi ouvido pelo delegado e está preso a disposição da justiça.

Um novo Habeas Corpus foi apresentado no Tribunal de Justiça do Maranhão para que o vereador responda em liberdade. 

Uma Comissão (CPI) foi criada na Câmara Municipal de Guarantã do Norte sobre quebra de decoro onde irá colocar em votação a cassação do mandato do vereador. 

Entenda o caso

O vereador Alexandre Rodrigues Ribeiro (PSC), de Guarantã do Norte teve um mandado de prisão expedido por um juiz de Direito de São Luís, no Maranhão, por tentativa de assassinado. Ele é acusado de tentativa de homicídio após esfaquear um menor de 16 anos, em uma praça conhecida como “Ponto de Gays”. O crime ocorreu há 18 anos, em 2000.

Consta dos autos do inquérito policial, que no dia 30 de agosto de 2000, por volta das 22h20, Alexandre esfaqueou o menor M.D.C., então com 16 anos, pelo menos seis vezes. O crime ocorreu após o atual parlamentar descer de um coletivo, próximo a Universidade Federal do Maranhão.

Segundo o documento, dois dias antes do ocorrido, a vítima encontrava-se reunida com alguns colegas na Praça da Vila Bacanga, momento em que ele e os amigos passaram a provocar Alexandre, o chamando de “gay”. O suspeito então teria ficado enfurecido e chegou a proferir ameaças aos grupos de jovens. 

No dia do crime, a vítima foi surpreendida por Alexandre que estava armado com uma faca. Ele desferiu seis golpes contra o menor, que ficou ferido no braço esquerdo e no tórax.

Durante as agressões, Alexandre dizia que “iria mostra-lhe quem era qualhira”, termo usado na região para identificar homossexuais. A vítima foi socorrida por uma testemunha e encaminhada ao pronto-socorro daquela cidade.

Após o crime, Alexandre fugiu. Ele se tornou evangélico e mudou para o Norte de Mato Grosso, em Guarantã do Norte. Na cidade, se tornou “Irmão Alexandre”, ganhou prestígio e se candidatou a vereador em 2016. Foi eleito com 550 votos, o quarto mais votado. 

A Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso informou que tomou conhecimento do mandado contra o parlamentar na segunda-feira (14), mas não recebeu o mandado oficialmente. A ordem de prisão foi expedida pelo juiz José Ribamar Goulart Heluy Júnior, titular da 4ª Vara do Tribunal do júri da comarca da Ilha de São Luiz, capital do Estado do Maranhão.

Todavia, já há a informação de que ele teria deixado à cidade. “A ordem de prisão foi solicitada para Justiça de Maranhão, que encaminhou à delegacia local. O vereador não se encontra na cidade. Denúncias podem ser feitas pelo 197”, diz PJC.

“Irmão Alexandre” é natural do Rio de Janeiro, morou no Maranhão e após o crime veio para o Mato Grosso, vindo a morar em Peixoto de Azevedo e depois Guarantã do Norte.