Aves ‘desistiram’ do desenvolvimento dos dentes para ajudar na maturação dos ovos, diz estudo.

eriam as aves perdido os dentes para facilitar o voo? Ou bicos pontudos seriam mais eficientes para comer minhocas do que as mandíbulas de seus ancestrais, os dinossauros?

Nenhuma das respostas acima. Na verdade, as aves desistiram dos dentes para apressar a maturação dos ovos, sugere um artigo publicado nesta terça-feira (22) e que contesta evidências científicas anteriores sobre a evolução do bico sem dentes.

Em comparação a um período de incubação de sete meses para os ovos de dinossauro, as aves modernas nascem após alguns dias e semanas.

Isto ocorre porque não é preciso esperar o embrião desenvolver dentes – um processo que pode consumir 60% do tempo de incubação do ovo –, explicam os cientistas Tzu-Ruei Yang e Martin Sander, da Universidade de Bonn.

Enquanto está no ovo, o embrião fica vulnerável a predadores ou desastres naturais e uma maturação mais rápida aumenta as chances de sobrevivência.

Esta seria uma preocupação tanto para dinossauros quanto para aves, todos ovíparos. No caso dos mamíferos, os embriões ficam protegidos no corpo da mãe.

“Sugerimos que a seleção (evolutiva) para a perda dos dentes (nas aves) foi um efeito colateral da seleção por um embrião de crescimento rápido e, portanto, uma incubação mais rápida”, escreveram Yang e Sander no periódico “Biology Letters”.

Estudos anteriores haviam concluído que as aves – descendentes dos dinossauros voadores – perderam seus dentes para melhorar o voo.

Ninhos abertos

Mas isto não explicava porque alguns dinossauros não aviários da era Mezozoica haviam desenvolvido bicos sem dentes similares, afirmou a dupla.

Outros estudos concluíram que os bicos são melhores para comer comida de aves.

Mas alguns dinossauros com uma dieta diferente, à base de carne, também perderam os dentes e desenvolveram bicos pontudos.

Yang e Sander afirmaram que sua descoberta se originou em um estudo publicado no ano passado, que demonstrou que os ovos de dinossauros não voadores levavam mais tempo para maturar do que se pensava anteriormente: de três a seis meses.

Isto devido à lenta formação de dentes, que os pesquisadores analisaram ao examinar as linhas de crescimento nos dentes fossilizados de dois embriões de dinossauro.

A incubação mais rápida teria sido auxiliada por aves primitivas e alguns dinossauros ao chocar os ovos em ninhos abertos, ao invés de enterrá-los, como os antigos, argumentam os cientistas.

Eles destacam que sua hipótese não explicaria a ausência de dentes nas tartarugas, que ainda têm um longo período de incubação.