O Governo Federal através do Ministério Do Meio Ambiente vem a anos teimando com as idéias da ex Ministra Marina Silva em construir hidrelétricas com barragens na base da “lamina da água,” pensando em não prejudicar o meio ambiente, cobrindo com água vasta região de terra. Nestas circunstancias as hidrelétricas terão pouca potencia, se não bastasse no caso de estiagem, ficaremos rapidamente sem água para produção energética.

Tanto é verdade que hoje sentimos na pele e no bolso o alto custo da energia elétrica e o grande perigo de blecautes e possíveis racionamentos, justamente por falta de grandes reservatórios.

HidroeletricaNunca se viu falar que grandes reservatórios de água fossem associados com desperdícios de terras ou de matas. Quando se trata de meio ambiente temos sempre que levar  em conta, o “custo-benefício“.

Os grandes lagos além de proporcionarem grandes potenciais de  energia “limpa,” temos água para resistir as estiagens, nos proporcionam também uma série de outros benefícios a exemplo: Criação de peixes,  irrigações, hidrovias, exploração turística, bebedouros para gado, na boa umidade do ar, ajudando também na fidelidade das chuvas, dando longa vazão aos rios que abastecem as cidades com a mesma, valorizando as regiões onde teremos em abundância o líquido mais precioso do mundo.

É preciso lembrar que as quedas de águas não se fabricam, portanto temos que aproveitar as existentes tecnicamente em 100% de seus potenciais e pensarmos em longo prazo, ou seja, nos próximos séculos e não só no presente. Tem mais, os carros elétricos que estão chegando, precisam das hidrelétricas para carregar suas baterias. Não adianta termos milhões e milhões de hectares de terras e matas, com escassez de água.